Lição 3 - Aprendendo a Ler Hebraico


Após aprender o Alfabeto Hebraico e a formação das vogais, através dos sinais gráficos que se colocam abaixo das letras (sinais Massoréticos), vamos então nesta aula 3, aprender a ler as palavras em hebraico.
Não se trata já de aprender significados de palavras, não se preocupe com isso já, o leitor agora, vai se concentrar apenas na capacidade de ler as letras hebraicas, e verá que ao conseguir não vai querer parar; Então vamos lá.
Tal como no português se juntarmos um B + A = BA, como se diz no já famoso "beabá", e assim sucessivamente teremos Ba, Be, Bi, Bo, Bu, ora no hebraico será igual, embora não esquecendo que as vogais não existem, apenas temos de usar os tais sinais massoréticos para formar as nekudot.
Assim se lhe mostrar a letra A + R + I em Português será Ari, que é um nome proprio, correto?
Mas no hebraico não é, trata-se de uma palavra que significa Leão.
Vou aproveitar pois, que esta palavra homofona nas duas linguas, mas com sentidos dispares, seja usada como o primeiro exemplo para o exercício da Leitura. Então temos:
 começar da direita para a esquerda, nunca esquecer disto.
<<<
(formando o som ou Arih = Leãoאריה <= Hei ה <+ Yod י <+ Resh ר <+ Alef א


Foi fácil, não foi? Então vamos a mais exercícios, para pegar o jeito e desenvolver o gosto.
Se em português eu somar as letras D + A = DA, assim teremos Da, De, Di, Do, Du correto?
Se somar ainda mais uma letra D + A + B = DAB, se colocar um C será DAC e assim sucessivamente, como Dab, dac, dad, daf, dag, ... etc.
Vamos prestar atenção ao exemplo Dag, acima, se eu quiser escrever dag em português terei de usar as letras d+a+g, mas no hebraico bastam 2, vejamos:
<<<
(formando o som de Dag = peixe) דָּג <=  Guimel ג <+ Kamatz ָ<+ Dalet דָּ

Agora vamos dar um salto e treinar com mais letras, vai ver que consegue, vamos somar as letras seguintes:
<<<
(Telefon = telefoneטלפון <= Nun sofit ן <+ Vav ו <+ Fei פ <+ Lamed ל <+ Tet ט
(Limon = limãoלימון <= Nun sofit ן <+ Vav ו <+ Mem מ <+ Yod י <+ Lamed ל
(Shalom = paz, olá, adeusשלום <= Mem ם <+ Vav ו <+ Lamed ל <+ Shin ש
(Israelישראל <= Lamed ל <+ Alef א <+ Resh ר <+ Sin ש <+ Yod י
(Brasilברזיל <= Lamed ל <+ Yod י <+ Zain ז <+ Resh ר <+ Beit ב


Primeiras Palavras

Lição 2 - As Vogais (Nekudot - נְקֻדּוֹת)

Abaixo das letras hebraicas podemos ver claramente as Nekudot.
Como havia sido dito na Aula 1, no hebraico não há letras vogais, ou há mas de uma forma diferente, usando-se sinais gráficos em baixo das letras, como o Alef א ou o Ayin ע ou o Vav ו.


Então temos que aprender a formar os sons vocálicos na língua hebraica, como o a, e, i, o e u.
das seguintes maneiras as formas curta, longa, acentuada e suave. Ex â e à; ê e é, etc.
Primeiramente há que treinar os sinais gráficos seguintes, depois os nomes de cada sinal.


As Principais nekudot e suas correspondentes.


Continuaremos ainda nesta semana a desenvolver o tema "As Vogais" Nekudot.









Israelita cria bicicleta de plástico reciclado


Em Jerusalém, o estudante Dror Peleg, da Academia de Arte e Design Bezalel, resolveu criar uma bicicleta sustentável. Designer, ele valorizou, principalmente, duas características: resistência e baixo custo de produção. A invenção, chamada de “Frii”, possui uma estética tão diferente e colorida que mais parece um brinquedo. Com exceção dos pneus, ela é totalmente feita de plástico reciclado, o que a torna mais barata.
Dror Peleg usou a tecnologia de material injetável para dar forma à bicicleta. Uma armação de plástico é colocada em um molde e depois preenchida com o material reciclado. As rodas têm 20 polegadas e garfo curto, o que torna a bicicleta mais resistente. O selim é moldável ao peso do ciclista. Não há sistema de freios, por isso os pedais foram construídos para também ter esta função. Quando os pedais são girados ao contrário, para trás, eles desempenham a funcionalidade de um freio. A produção de bicicleta sustentável e de baixo custo ainda não está no mercado, entretanto, de acordo com a revista “Galileu”, o projeto não é apenas um conceito, as bicicletas estão prontas para serem produzidas.



Retirado do Jornal Judaico "Alef" edição de 12/08/2011

Lição 1 - O Alfabeto

O Alef-Beit - אלפבית


O Hebraico é uma língua semítica da família das línguas afro-asiáticas,  é a língua na qual foi escrita a Bíblia, mais precisamente a Torah e a Tanack, que veio a influenciar toda a civilização ocidental,  e tal como na maioria das línguas orientais, lê-se e escreve-se da direita para a esquerda.
O hebraico teve alguma influencia na língua portuguesa, palavras como Azeite vem do hebraico da Palavra Ha Zeit (o óleo).
O alfabeto "Alef-Beit" אלפבית é composto por 22 letras alfa numéricas, no hebraico os números são as letras e as letras equivalem a números, daí o estudo da Kaballah, que é o estudo do significado numérico das palavras escritas na Torah.
Não há letras minúsculas nem maiúsculas, há vários tipos de letras hebraicas, desde o tipo Rashi, quadrático e também o cursivo que mostramos abaixo, sendo que o cursivo é mais usado em Israel na escrita do dia-a-dia.
Para aprender hebraico o importante é aprender inicialmente a alfabetização, a partir daqui o caro leitor poderá começar a conjugar letras e a ser capaz de ler palavras, tal como fazemos em português. Só há um problema no hebraico não há vogais. Ou há de uma forma diferente.
veja a seguir como se lêem as letras o seu significado fonético. 


א Alef - Não tem som, equivale às vogais "Nekudot"  A, E, I, O, U,
ב Beit - Equivale a B, com o sinal (daguesh) בּ equivale a V ( - Veit). 
ג Guimel - Equivale à letra , mas pronuncia-se Guê como guitarra.
ד Dalet -  D,
ה Hei -  H, equivale ao som de R como em inglês Home, Mas no artigo é forte Rá.
ו Vav - Consoante com som de V, mas pode assumir O ou U como vogal.
ז Zain - Z
ח Het -  H, Som de R forte. RR, rá, ré, rí, ró, rú.
ט Tet - Som de T.
י Yod - Som de Y e I.
כ Kaf - K ou C, com Daguesh assume Chaf כּ sendo que CH aqui é RR.
ך Kaf sofit - É o Chaf, no final da palavra.
ל Lamed - L, como Lá, Lé, Li, Lo, Lu, no fim da palavra é como aL, éL, iL, oL e uL.
מ Mem - M
ם Mem Sofit - M no final da palavra. 
נ Nun - N.
ן Nun Sofit - N
ס Samech - S.
ע Ayn - Letra silenciosa equivale a A, E, I, O e U com os sinais de "Nekudot".
פּ Pei - Equivale a P com Daguesh (פּ - Pei) e a F (פ - Fei) quando sem o sinal.
ף Pei Sofit - Equivale a F, no final da palavra.
צ Tzadik - Tem o som de TZ.
ץ Tzadik Sofit - TZ.
ק Qof - Equivale ao Q.
ר Resh - Tem o som de R como em CaRo, SenhoR, OleiRo, é palatal e gutural.
ש Shin - Igual a SH com sinal à direita שׁ , quando à esquerda é o (שׂ - Sin) S.
ת Tav - É a última letra e tem som de T.


Nas imagens abaixo verá o valor numérico de cada letra hebraica e a escrita cursiva.
No fim poderá ver os dois videos anexados sobre o alfabeto hebraico.

Cada letra hebraica corresponde a um número indicado abaixo.

Cantilena das Letras Hebraicas.


Lição 1 - O Alfabeto


Lição 1 - Parte 2



A Próxima Lição: As Vogais

O que é a Guematria?




Ciência existente apenas no judaísmo e na língua hebraica, a "guematria" é a ciência judaica da codificação bíblica, é um método hermenêutico de análise das palavras bíblicas em hebraico, atribuindo-lhes um valor numérico definido a cada letra. Conhedida ainda pelo nome de "numerologia judaica" e está patente na Toráh (Pentateuco) há mais de 3.300 anos.pelo valor numérico de cada letra, para os misticos cabalistas judeus, a Toráh tem para além do seu sentido literal, um sentido mistico escondido nos numeros de cada palavra, qual um código, fazendo diferentes conexões e extraindo da Palavra Divina uma revelação, ou um sentido mais aprofundado para os espiritualistas.
Valores numéricos das letras hebraicas.

O Pogrom de Lisboa



       Há um monumento em Lisboa, que para além de belo, é de suma importância histórica, por ele passam centenas talvez milhares de pessoas, sem o ver ou vendo sem lhe dar importância devida, trata-se do monumento em homenagem aos judeus mortos no ano de 1506, no chamado "Pogrom de Lisboa" ou a "Matança dos Judeus de Lisboa", página trágica e cruel da nossa história, pois não pensem as gerações atuais que a perseguição e morte de judeus só ocorreu no Holocausto Nazista. Séculos antes por toda a Europa incluindo como aqui vemos Portugal, foram mortos milhares de judeus, quer pela inquisição quer em motins (Pogroms) de cariz anti-semita, tendo o povo judeu sido o bode expiatório para todo o tipo de males sociais.
       Era o Ano de 1506, 19 de Abril, Portugal vivia uma seca muito grande, crise económica e peste, nas igreja rezavam-se novenas, faziam-se procissões e rezavam-se missas, para combater o mal. Naquele fatídico dia segundo foi escrito por cronistas da época, um pseudo milagre estaria a acontecer, no interior da Igreja de São Domingo na baixa lisboeta, um cristão-novo (judeu obrigado a converter-se ao catolicismo) fez m comentário a desfazer a ideia do milagre, a Ira dos fiéis tornou-se numa turba enraivecida,  as mulheres e homens agarraram nesse e noutros cristãos novos e os espancaram até a morte em frente à entrada da Igreja, depois não satisfeitos com a morte dos inocentes, esquartejaram-nos e fizeram uma fogueira para queimar os corpos, padres dominicanos em vez de conterem a fúria, atiçaram a população para marchar até ao bairro dos judeus, onde famílias foram retiradas de suas casas, homens, mulheres, velhos e crianças, espancados e mortos.
       Foi assim durante cinco dias, de uma loucura indomável, que o Rei D. Manuel I, teve de enviar tropas especiais para por cobro à vergonha, visto que amigos e funcionários régios foram mortos, o cheiro dos corpos queimados enchia toda a atmosfera de Lisboa, o ambiente era dantesco. Após as tropas reais reporem a ordem a 24 de Abril, o saldo de mortos ultrapassava os 2500, o Rei mandou retirar do Brasão de Lisboa o titulo de "Honrada".
       O Presidente Jorge Sampaio, foi o único chefe de Estado, que pediu oficialmente na Sinagoga Sharé Tikvah, perdão ao povo judeu pelos erros cometidos no passado,tendo também inaugurado o monumento na fotografia acima.


Este é baseado no artigo: "A matança de Lisboa de 1506" da página da Comunidade Israelita Masorti de Lisboa, da autoria de Carlos Baptista. Sinagora Ohel Jacob / Beit Israel

O Povo eleito


A opinião comum num mundo laicizado, e em particluar no  cristianismo, de que o judaísmo deixou de ser a religião de D-us, ou mesmo de que ser o povo eleito não faz sentido, ou de que a sua missão não foi cumprida e acabou, é totalmente falsa e muito provavelmente até herética.

Ser ou fazer parte do "O Povo Eleito" não é fácil, não se trata de um conceito de superioridade judaica sobre as outras religiões, ou culturas e povos, trata-se de ser o que tras consigo, a tarefa árdua de manter incorruptivel a Toráh sagrada, e isso requer a total fidelidade às tradições, usos e costumes dos ancestrais.

Os não judeus, em especial os cristãos vêm de maneira errada a questão do judaísmo na Toráh, não há a compreensão de que não foram os judeus que escolheram D-us, foi D-us que escolheu o povo hebreu e que por sua vontade o formou, a partir de Avraham, Isaac, Jacob, José e Moisés (Moshe) para ser na terra a semente da palavra de D-us, a semente de uma civilização superior à época em que conquistaram Canaã, época em que eram rodeados por povos politeístas, bárbaros e de costumes contrários aos valores divinos.

Não foi também o povo judeu que escolheu a lei (Toráh), foi D-us que a deu como instrução, através de Moshe, não foi portanto o povo Judeu que inventou a Torá.
Mas acima de tudo, não foram os judeus que inventaram o Messias para salvar o mundo, foi D-us que fez deste povo, o Seu povo escolhido para trazer a mensagem de salvação a toda a humanidade carente da verdade e da palavra de D-us, que então só estava confiada aos judeus.


Portanto os cristãos devem ver Jesus como o Mesias gentiu, um salvador, vindo dar a conhecer a toda a humanidade a Toráh, aos não judeus, sendo que quando vier o Messias esperado pelo povo judeu, pelos cristãos e até muçulmanos, aí sim o Messias (Mashaiah) se dará a conhecer a toda a humanidade, que O reconhecerá, e pois não serão os judeus a converterem-se ao cristianismo, ou a outra qualquer religião, mas sim a humanidade se converterá indubitavelmente a praticar as 7 Leis Noéticas e outros o Judaísmo que é a verdadeira religião de D-us.


Temos que entender que também não foram os judeus que quiseram a Diáspora, ou o sofrimento dos pogroms e o Holocausto, foram perseguidos então porquê? Porque tanto ódio contra os judeus? Que mal fizeram ao mundo? Pois eu digo não fizeram ao mundo senão o bem, desde o inicio, e se são perseguidos e odiados, e se sofreram pogroms e o holocausto é por serem verdadeiramente o povo de D-us, o povo do Livro, e quem os persegue não é outro senão o inimigo (a besta) que quer destruir a salvação da Humanidade evitando a vinda do Meshiah.

Este blog, pretende contribuir de alguma forma no entendimento da verdadeira missão dos judeus e do judaísmo, contribuindo para o amor pelo povo judeu e por Israel.

Luz e Escuridão



No inicio do século XX, em plena aula, o professor universitário falava sobre se D-us havia ou não criado tudo, e perguntou aos alunos se isso seria ou não verdade.
"Terá D’us criado tudo que existe?"
Um dos alunos respondeu: “Sim, Eu creio que Ele criou”..
“Então, D’us criou tudo?”, perguntou novamente o professor.
"Sim", respondeu o aluno.
E o professor continuou, "Se D’us criou tudo, então D’us fez o mal! Pois o mal existe, e partindo do preceito de que nossas obras são um reflexo de nós mesmos, então D’us é mau."
O aluno calado-se diante desse argumento e o professor, regozijava-se de ter provado mais uma vez que a fé era um mito.
Outro estudante levantou a mão e disse:
"Posso fazer uma pergunta, professor?"
"Sim claro", foi a resposta.
O jovem ficou de pé e perguntou: "Professor, o frio existe?"
"Que pergunta essa? Claro que existe, ou por acaso você nunca sentiu frio?"
O rapaz respondeu: "De facto, senhor, o frio não existe. Segundo as leis da Física, o que consideramos o frio, na realidade é a ausência de calor. Todo corpo ou objecto é susceptível de estudo quando possui ou transmite energia. O calor é o que faz com que este corpo tenha ou transmita energia. O zero absoluto é a ausência total e absoluta de calor. Todos os corpos ficam inertes, incapazes de reagir, mas o frio não existe. Nós criamos essa definição para descrever como nos sentimos se não temos calor."
"E, existe a escuridão?", continuou o estudante.
O professor respondeu: "Existe".
O estudante respondeu: "Novamente comete um erro, senhor, a escuridão também não existe. A escuridão na realidade é a ausência de luz. A luz pode ser estudada, a escuridão não! Até existe o prisma de Nichols para decompor a luz branca nas várias cores que a compõe, com suas diferentes longitudes de ondas. A escuridão não! Um simples raio de luz atravessa as trevas e ilumina a superfície onde termina o raio de luz.
Como pode saber quão escuro está um espaço determinado? Com base na quantidade de luz presente nesse espaço, não é assim? Portanto a escuridão é uma definição que o homem desenvolveu para descrever o que acontece quando não há luz presente"
Finalmente, o jovem perguntou ao professor: "Senhor, o mal existe?"
O professor respondeu: “Lógico que existe, como disse desde o começo, é só ler as manchetes: vemos acções terroristas, crimes e violência no mundo o tempo todo”.


E o estudante respondeu: "O mal não existe, pelo menos não existe por si mesmo. O mal é simplesmente a ausência do bem, como nos casos anteriores, o mal é uma definição que o homem criou para descrever a ausência de D’us. D’us não criou o mal. Não é como a fé ou como o amor, que existem como existem o calor e a luz. O mal é o resultado da humanidade não ter D’us presente em seus corações. É como acontece com o frio quando não há calor, ou a escuridão quando não há luz."


Por volta dos anos 1900, este jovem foi aplaudido de pé, e o professor apenas balançou a cabeça permanecendo calado.
O director dirigiu-se àquele jovem e perguntou qual era seu nome. E ele respondeu:
“Albert Einstein.”


Adaptado de Chabad.org.br

O Hebraico a Língua Sagrada


O Hebraico, para além da beleza dos seus caracteres, para além de ser a língua do povo judeu, o hebraico deve ser visto como património da humanidade.
Primeiro pela sua antiguidade, depois pela capacidade do povo judeu de recuperar um idioma quase desaparecido, depois de 19 séculos de Diáspora, recuperar a independência e tornar este idioma o oficial de Israel.
Mas há mais, a Kabaláh mostra a importância que o hebraico tem na compreensão mística da Toráh, e que por ser um idioma alfanumérico tendo dimensões diferentes de entendimento, desde o histórico, literal, espiritual e místico. É pois uma língua sagrada, em hebraico diz-se Lashon HaKodesh, não há nenhuma outra como o hebraico.
Esta diferença, somada ao aspecto bíblico, religioso e político, após o a vergonha ocidental do "holocausto" e o incidente como o navio "Exodus" que culminariam na criação do Estado Israelita, levou a que após a independência de Israel, o mundo passasse a ver de outra forma o povo judeu, sua cultura e língua, despertando o estudo do Hebraico, que é a única língua minoritária a ser estudada em todo o mundo, tanto por judeus, como por cristãos e não apenas por teólogos, filólogos como até então teria sido o seu nicho de estudo.
Digo mais, o hebraico não é difícil como parece, é muito agradável desenvolver o estudo gradativo até podermos estudar a Tanakh na sua língua original, e depois de lerem a Bíblia na língua original, o Hebraico, verão os textos sagrados com um novo olhar e entendimento.

Mordechai Lael Ben Avraham

Alfabeto Hebraico


O Alfabeto Hebraico (Alef-Beit) é o alfabeto próprio da língua hebraica, língua semítica do ramo Afro-asiático, com caracteres alfanuméricos, também tidos como sagrados por judeus e cristãos no mundo todo, é composto por 22 letras, sendo que 5 dessas letras, tem formas diferentes no final da palavra, chamadas "sofit", o hebraico não tem vogais, sendo que para se formar uma vogal usa-se a consoante com um sinal diacrítico, que são os sinais "Massoréticos" formando assim as "Nekudot" consoantes com som de vogal, há também duas letras que não têm qualquer som fonético são o Alef א e o Ayn ע.
Existem actualmente quatro versões de escrita hebraica, o hebraico moderno impresso, o manuscrito, o hebraico antigo Rashi e o hebraico da Toráh chamado de Ashurita.



Aarão - O primeiro sumo-sacerdote de Israel

       
        Aarão (אַהֲרֹן) é o nome do primeiro sumo sacerdote da religião judaica, o nome significa "progenitor de mártires", pronunciava-se Arraron.
       Mais conhecido por ser irmão de Moisés e seu maior colaborador (Ex 4,14; 15,20 e 17,8-15; 24,1-11), por Moisés ser gago, D-us faz de Aarão o auxiliar, usando do dom da palavra com a qual D-us o dotou.
       Aarão transformando-se em seu porta-voz diante do Faraó e depois dos israelitas durante os 40 anos de deserto.
       Foi no entanto como Sumo-sacerdote (Cohen Gadol) do D-us de Israel que desenvolveu o seu principal papel por ser membro da tribo de Levi, de quem era neto, filho de Anrão e Joquebed, era irmão mais velho de Moisés e de Miryan que era sua irmã mais velha., (4,14-16.27-30; 5,1-5). Casou-se com Eliseba da tribo de Judá, teve quatro filhos Nadab, Abiu, Eleazar e Itamar.
       Tendo pecado, ao permitir a construção e a idolatria do bezerro de ouro, foi castigado por D-us, tendo o seu sacerdócio ficado caduco (32,1-6.25-29; Nm 12,1-13; At 7,39-41; Hb 7,11-14).
       A tradição sacerdotal vê nele o primeiro Sumo-sacerdote (Ex 29,1-30) e o antepassado da classe sacerdotal (28,1; Lv 1,5).
       Dentro da tribo de Levi, Aarão e seus descendentes,  concentram em si o sacerdócio (Lv 13-14; Nm 18,1-28; Ex 30,19-20).
      

A Idolatria do Bezerro de Ouro
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores