Oseh Shalom - עוֹשֶׂה שָׁלוֹם.

Em 1984, após assistir a um noticiário de televisão na BBC por Michael Buerk sobre a fome que atingia a Etiópia, Bob Geldof ficou tão comovido com o sofrimento das crianças famintas que decidiu tentar arrecadar dinheiro usando seus contatos na música pop.
Geldof pediu ajuda a Midge Ure, do Ultravox grupo, para ajudar a produzir uma instituição de caridade registo.
Ure tomou letras Geldof (Feed the World), e criou a melodia e música de fundo para o registro. Geldof chamou muitos dos artistas mais populares britânicos e irlandeses do tempo e persuadio-os a dar o seu tempo livre. Seu critério de seleção foi ser famoso como eles eram, de modo a maximizar as vendas do registro. Ele, então, manteve uma nomeação para aparecer num programa da BBC Radio 1, mas ao invés de promover seu próprio material como planeado, ele anunciou o plano de Band-Aid.
O estúdio de gravação deu à Band Aid mais de 24 horas livres para gravar e misturar o registo em 25 de novembro de 1984. A gravação ocorreu em onze horas - sete horas no estúdio Sarm Oeste, em Londres, e foi filmado pelo diretor Nigel Dick para ser lançado como um vídeo pop. As filmagens no início foram levadas à pressa para a redação em que foi ao ar enquanto o restante do processo de gravação contínuou.
O single original foi produzido por Midge Ure, com a versão 12 "sendo misturado e produzido por Trevor Horn. 
Assista ao documentário sobre o making of Band Aid no YouTube

A ideia por trás da música nova para Oseh Shalom foi, nas palavras de seu compositor Stephen Levey ", para escrever uma peça que iria apelar a todos, com palavras que são bem conhecidas e com uma música que pudesse ser cantado facilmente". A canção foi escrita como uma oração pela paz para o 60 º aniversário de Israel e foi caracterizado como uma nova composição do rabino-chefe de "Home of Hope" CD. O rabino-chefe queria imagens para acompanhar algumas das músicas do CD. Enquanto que na recente "Solidariedade através da música" missão de Israel (onde o coro cantava para Shabbaton pessoas nas cidades de Sderot e Ashkelon), o rabino-chefe Stephen pediu a considerar como ele visualizaria Oseh Shalom para ser como um filme. Ao ver e ouvir a resposta foi positiva para a música, tanto em Israel como no Reino Unido, Stephen sentiu que poderia ser filmado como um hino no estilo do "Band Aid" de vídeo.
Este foi fortuita, como o diretor musical de Band Aid, Trevor Horn, tinha sido instrumental (literalmente) na organização de algumas das músicas no CD. Mais uma vez ele ofereceu, muito generosamente, para produzir a faixa em seu estúdio estúdio o mesmo em que Band Aid foi gravada 24 anos antes. A gravação ocorreu em 30 de abril de 2008 com solistas Jonny Turgel, Craimer Shimon e Lionel rabino Rosenfeld, O Coro Shabbaton, crianças de escola de Londres do dia Moriah judeu e O rabino-chefe si mesmo. O filme foi produzido e dirigido por Adam Cohen.

Retirado do site "Home of Hope"

Coro do Templo Maior de Roma - 21 Novembro

O Ministério da Cultura do Brasil, o Centro de Cultura Judaica e o Museu Judaico do Rio de Janeiro em conjunto apresentam o "Festival - Reinventando o Ritual / Música Liturgia Judaica, tendo como apresentação inédita o "Coro del Tempio Maggiori di Roma" - Coro do Templo Maior de Roma, na programação do Momento Itália Brasil 2011/12, tendo a atuação do Coro a direção do maestro Cláudio di Segni, que atuará no dia 21 de Novembro, pelas 20:00 hs, no Grande Templo do Rio de Janeiro, sendo a entrada gratuita.

Os Convertidos



    O Judaísmo acolhe de facto os convertidos. Na verdade, eles são particularmente queridos aos olhos de Deus. A sua virtude não reside tanto no facto de aceitarem a fé judaica, visto que os homens podem esperar a salvação na sua própria religião; mas no facto de aceitarem sobre os ombros o fardo especial do destino dos Judeus e a obrigação de se incorporarem num povo de sacerdotes, «filhos de Abraão» por eleição e por adoção.

    «Não haverá para vós senão uma só lei, tanto para o estrangeiro como para o natural da terra» (Nm 9, 14). (Para os rabis, «estrangeiro» tem o sentido de «prosélito».) Assim este versículo ensina que para a escritura o prosélito é igual ao Judeu por nascimento naquilo que diz respeito a todos os mandamentos da Torah.

    Um prosélito que o seja por sua livre vontade é mais precioso para Deus do que todos os Israelitas que se apresentaram perante Ele no monte Sinai. Se os Israelitas não tivessem sido testemunhas dos travões, dos relâmpagos e dos abalos das montanhas e do retinir das trombetas, não teriam aceitado a Torah. O prosélito, que não viu qualquer dessas coisas, veio e deu-se por si mesmo ao Deus santo e único – bendito seja o Seu nome – e tomou sobre si o jugo do Céu. Quem poderá, pois, mais do que ele, ser precioso aos olhos de Deus?

Fonte: HERTZBERG, Arthur, Rabi do Templo Emanuel, Englewood, Nova Jérsia, JUDAÍSMO, Editorial Verbo, 1981

enviado pelo Chaver Carlos Baptista da Comunidade Masorti de Lisboa.

Danny Kaye - Cidadão do Mundo



Danny Kaye, de seu nome original David Daniel Kaminsky, nasceu no seio de uma família judaica, em Nova Iorque, a 18 de Janeiro de 1913, vindo a falecer em Los Angeles, com 74 anos a 3 de março de 1987.

Filho de judeus, de origem ucraniana, seu pai foi um alfaiate, Danny Kaye iniciou sua carreira artística no circuito judaico de estâncias de veraneio, nas proximidades de Nova Iorque.
Casou-se em 1941com Sylvia Fine, uma pianista, autora de vários temas musicais que foram usados nos filmes que lhe deram fama e protagonismo como ator e humorista.
Em 1944 estreou em Hollywood o filme " Sonhando com os Olhos Abertos". Por mais de uma década foi considerado um dos melhores comediantes do cinema americano.
Danny Kaye morreu na pobreza, vítima de hepatite e de uma hemorragia intestinal. Após a sua morte, foi considerado pela UNESCO cidadão do Mundo, devido não só ao facto de ter sido artista, mas também por ser filantropo, tendo em vida ajudado muitas instituições de caridade.
Filipe de Freitas Leal


Shimon Peres: "O Irão é um perigo Nuclear"


        O presidente da República de Israel, Shimon Peres, afirmou recentemente, quando questionado por jornalistas, se algo está a fazer com que uma opção militar seja tomada por Israel contra o Irão, ao invés da ação diplomática, "Acredito que sim, estimo que os serviços de inteligência de todos esses países estão vendo o relógio correr, alertando os líderes de que não resta muito tempo. O Irão está cada vez mais próximo de desenvolver armas atómicas. O que precisa ser feito deve ser feito", afirmou peremptoriamente Shimon.
           Por outro lado, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, também criticou o comportamento do Irã:“Seu desejo obsessivo para adquirir capacidade nuclear militar são uma violação a todas as regras internacionais. A França condena com firmeza a falta de respeito a estas regras e não ficaria de braços cruzados em caso de uma ameaça ao Estado de Israel”.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores