Os Convertidos



    O Judaísmo acolhe de facto os convertidos. Na verdade, eles são particularmente queridos aos olhos de Deus. A sua virtude não reside tanto no facto de aceitarem a fé judaica, visto que os homens podem esperar a salvação na sua própria religião; mas no facto de aceitarem sobre os ombros o fardo especial do destino dos Judeus e a obrigação de se incorporarem num povo de sacerdotes, «filhos de Abraão» por eleição e por adoção.

    «Não haverá para vós senão uma só lei, tanto para o estrangeiro como para o natural da terra» (Nm 9, 14). (Para os rabis, «estrangeiro» tem o sentido de «prosélito».) Assim este versículo ensina que para a escritura o prosélito é igual ao Judeu por nascimento naquilo que diz respeito a todos os mandamentos da Torah.

    Um prosélito que o seja por sua livre vontade é mais precioso para Deus do que todos os Israelitas que se apresentaram perante Ele no monte Sinai. Se os Israelitas não tivessem sido testemunhas dos travões, dos relâmpagos e dos abalos das montanhas e do retinir das trombetas, não teriam aceitado a Torah. O prosélito, que não viu qualquer dessas coisas, veio e deu-se por si mesmo ao Deus santo e único – bendito seja o Seu nome – e tomou sobre si o jugo do Céu. Quem poderá, pois, mais do que ele, ser precioso aos olhos de Deus?

Fonte: HERTZBERG, Arthur, Rabi do Templo Emanuel, Englewood, Nova Jérsia, JUDAÍSMO, Editorial Verbo, 1981

enviado pelo Chaver Carlos Baptista da Comunidade Masorti de Lisboa.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores